domingo, 30 de janeiro de 2011

Eucaliptos na janela



Há gestos assim; simples e pequenos.

Claro que seria mais óbvio, natural até… fazer uma festa, convidar uns amigos, abrir um espumante.

As paredes, imaculadamente brancas, esperavam os primeiros quadros.

As lâmpadas acenderam-se pela primeira vez e, mesmo sendo dia, emprestaram um tom quente ao conforto dos sofás, das alcatifas, dos tapetes, da lareira.

Tudo estava pronto.

Sem pressa alguma, deixou o olhar espraiar – a sala, alaranjada – a porta entreaberta da cozinha – o corredor de acesso aos dois quartos, a varanda de pedra voltada para o rio.

Mudar de casa.

Mudar de casa é quase como mudar de vida. Por vezes… muda-se de casa porque a vida mudou. Outras vezes… muda-se de casa porque se quer que a vida mude.

A mudança é necessária – pensou, enquanto pousava o pequeno saco de plástico sobre a mesa.

Claro que nenhuma das amigas percebeu quando ela anunciou “ Vou trocar de casa… e isso é só o primeiro passo. Depois… vou trocar de vida.”

Afinal de contas, para quê? Para quê trocar o que quer que fosse, se ela já tinha tudo?

- Você é louca… largar aquele belo apartamento no centro? Eu era capaz de matar para conseguir um lugar ali… e você vai largar? Assim sem motivo nenhum?

E ela disse que sim.

Motivos?

Isso era uma longa história…

Retirou do saco de plástico o pequeno vaso. As folhas verdes agitaram-se, trémulas, pressentindo um novo destino.

- Ora vejamos… a vossa nova casa…

E foi-se aproximando de uma das janelas da sala.

Três dias antes, ao sair do táxi, já bem próxima de casa, presenciara uma cena assaz curiosa. Dois transeuntes distraídos – um ele de meia idade e lendo distraidamente o jornal e uma ela, bem jovem e segurando desajeitada uma vaso com uma planta – chocavam frontalmente, bem junto do semáforo.

Na mini confusão que se seguiu, e enquanto esperava o troco do taxista, lá foi ouvindo o rescaldo do acidente.

- Perdão, menina… não devia andar com árvores na rua…

- Árvores? Desculpe, o senhor é que vinha a ler essa coisa, nem me viu…

- Claro que vi… e a menina também me teria visto, se esse arbusto não lhe tapasse a visão…

- Que indelicadeza... falta de educação… olhe, pela minha parte, e apesar de não ter tido culpa nenhuma, peço desculpa…

- Não faz mais que a sua obrigação, menina… devemos ter sempre atenção com os mais velhos, sabia?

- … ahhhh… claro, já cá faltava essa… e olhe, a propósito… isto não é nenhuma árvore, nem nenhum arbusto…isto são podas de eucalipto…

- Por mim até podiam ser sequóias ou limoeiros, tanto me dá… e já perdi muito tempo…

Quando finalmente recebeu o troco, a jovem ainda permanecia de joelhos, tentando apanhar alguma da terra que se espalhara sobre o passeio.

Sem saber bem porquê, foi ter com ela.

- E então… a plantinha? Vai sobreviver ao trambolhão?

A jovem lançou-lhe um olhar desconfiado, mas ao ver-lhe o sorriso nos lábios lá acalmou a postura.

- Espero que sim… é resistente… os eucaliptos são resistentes…

Ela dobrou-se sobre os joelhos e apanhou os últimos pedaços de terra, enquanto a jovem tentava endireitar uma haste partida.

- Nunca tinha visto… um eucalipto assim tão pequeno… nem pensei que se vendessem aqui…

A jovem acenou-lhe com a cabeça, toda eloquente.

- Claro que se vendem. O senhor Fernando, ali da loja da esquina… foi lá que arranjei este… gosta?

Ela fez que sim, que gostava.

- Gosto sim… apesar de não ser muito normal ver um eucalipto num vaso de flores…

- Vou colocá-lo na minha janela. Dá-me boa disposição, ao acordar…

- Sério? Boa disposição? Nunca tinha ouvido falar de semelhante coisa…

- É verdade… os eucaliptos na janela significam força, energia, mudança… a sério que não sabia?

- Pois… não, não sabia….

Despediram-se, entre sorrisos e restos de terra por apanhar no passeio de cimento.

- Pronto… bemvinda a casa, plantinha…

E lá pousou a pequena poda de eucalipto junto da janela ensolarada. O reflexo do sol nas folhas verde seco projectou-se sobre o branco das paredes, compondo um jogo abstracto de sombras.

Por vezes, tinha gestos assim; simples e sem motivo.

Sabe-se lá porquê, deu consigo a entrar na loja do senhor Fernando e a dizer que queria uma plantinha para a sala. E quando o bom do florista lhe apontou uns cólios magníficos, ela torceu o nariz e apontou para a prateleira do fundo:

- Não… quero aquele eucalipto, ali ao fundo… o pequenino…

E pronto, estava decidido.

A parede branca borbulhava de movimento.

- Sim… é uma ideia… - deu consigo a murmurar, enquanto se deliciava com o dançar das sombras na parede – uma pintura nessa parede… sim… porque não?

Olhou para o pequeno eucalipto.

. Muito bem, muito bem… mal chegas a casa e já tens sugestões de decoração… e talvez desta vez até te siga a sugestão, sim… aquela parede branca até ganharia muito com uma pintura…

Mudança?

Haverá algo mais desafiador que a imensidão de uma parede branca?

7 comentários:

  1. Oi amigo!

    Tem um selo pra você no meu blog!

    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Rolando...

    me fez chorar...
    que texto mais lindo, e pelo que percebo sabes ler muito bem as entrelinhas... indentifiquei-me com cada palavra...

    que delicadeza...

    tocou meu coração...

    beijo enorme

    ResponderEliminar
  3. con que ternura acogen estas manos el árbol...
    saludos desde Barcelona

    ResponderEliminar
  4. Gislene, amiga

    Obrigado pelo selo e pelo carinho.
    Tudo de bom para ti.

    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Solange,

    Que os eucaliptos te façam sempre sorrir e acordar com vontade de mudar o mundo...

    Beijos

    ResponderEliminar
  6. Beatriz,

    Há quem fale com as plantas... com os peixes... com as nuvens...

    Porque não eucaliptos na janela?

    Volta sempre

    ResponderEliminar
  7. OLÁ!de vez em quando faço uma visitinha ao seu blog,ele é simplesmente perfeito,acabei de ser sua seguidora, estou te convidando a conhecer o meu blog, é novo! passa lá seja um seguidor e deixa um comentàrio ok? bjinhos e estarei sempre no Entremares!

    Meu Blog


    http://palavraseessencias.blogspot.com/

    ResponderEliminar